QUEM SOU

A minha foto
Braga, Minho, Portugal
Franciscano com paciência beneditina.

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

DESCALÇA HÁ 50 ANOS

D. Josefa Maria de Jesus


    D. Josefa tem 85 anos e 
quando sai para passear na rua chama atenção dos moradores de Turiúba (SP). 
Ela não usa calçado há pelo menos 50 anos, mas esse costume diferente tem um motivo: uma promessa.
    A aposentada Josefa Maria de Jesus veio da cidade de Lagarto (SE) para o Noroeste paulista quando tinha 20 anos, junto com o irmão. 
    No interior de S. Paulo, ela trabalhou na colheita do milho, do algodão, do feijão e do arroz.
    A jovem, na época com pouco mais de 20 anos, começou a sentir fortes dores nas pernas na década de 1950. 
    O tempo passava, mas as dores não. 
    Sem dinheiro para ir a um especialista, ela enfrenta o problema durante quase 30 anos sem saber o que está a acontecer com o corpo dela.
    Até que ela faz uma promessa que transformaria a vida dela. 
    Foi num altar, numa igreja, que ela fez a promessa. 
    “Se me curar nunca mais ponho sapatos nos pés, foi o que prometi”, afirma a aposentada.
    Não demorou muito para que o pedido feito fosse atendido, e as dores começaram a desaparecer. 
    “Fiquei curada, graças a Deus as dores foram passando”, afirma. 
    Até hoje os pés continuam descalços e a saúde impressiona para uma senhora de 85 anos. 
    O serviço em casa é ela quem o faz, e tudo com os pés no chão.
    Para o neto, Carlos Pereira Santana, que mora com a avó, é normal, mas ele sempre tem que satisfazer a curiosidade dos amigos. 
    “Os amigos perguntam-me o porquê de ela andar descalça,  e falo do que aconteceu, da história dela, e eles ficam impressionados”, afirma o neto.
    Na cidade de menos de dois mil habitantes, onde D. Josefa mora há 30 anos, todos conhecem e admiram a história da aposentada. 
    “Toda a gente a conhece na cidade, é muito querida por todos e tem uma história de Fé muito bonita”, afirma a comerciante Rosa Machado Parra.
    Mas, fora de Turiúba, ela afirma que já passou por alguns momentos delicados por causa da promessa. 
    “Em Birigui (SP) tive uma vez que entrar num estabelecimento e não me deixaram por eu estar com os pés no chão. Mas tenho de seguir em frente, pisar firme, mesmo que me magoe e acreditar em Deus”, afirma.
    D. Josefa diz que desde a promessa nunca mais usou sapatos, sandálias ou sapatilhas, e que não sente dores nos pés por andar descalça. 
    “Quando ando numa rua quente, os pés ficam a arder uns dois dias e depois passa, isso faz parte da vida. A única coisa que passo é um creme, porque acho feio ter os pés rachados”, afirma.